Teoria Marxista da Dependência e trotskismo: a crítica ao dualismo estrutural e ao caráter democrático burguês da revolução brasileira

Henrique de Bem Lignani

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar as relações (na maioria das vezes implícitas) existentes entre a Teoria Marxista da Dependência (TMD) e o trotskismo. Para isso, analiso em um primeiro momento algumas das contribuições teóricas fornecidas a partir da TMD, inserindo-as em seu contexto de formulação, durante os críticos anos 1960-70 no Brasil. Identifico, assim, que as propostas dos teóricos dependentistas para a interpretação da realidade brasileira se contrapunham às análises dualistas, até então a visão hegemônica no interior da esquerda. Questionava-se também a conclusão política decorrente do dualismo, qual seja, o entendimento de que a superação do “atraso” nos países “subdesenvolvidos” passava pela realização de uma revolução democrático burguesa. Nesse sentido, estabeleço um paralelo entre os referidos aspectos levantados pela TMD e a obra de Trotsky, especificamente a “lei do desenvolvimento desigual e combinado” e a teoria da revolução permanente. Tais elementos haviam permitido a Trotsky identificar a existência de uma dinâmica própria no desenvolvimento capitalista dos países “atrasados”, o que possibilitaria um “salto de etapas” no seu desenvolvimento revolucionário. Por fim, analiso também textos produzidos por organizações trotskistas brasileiras durante as décadas de 1930 e 1940, cujas análises e atuação político-revolucionária, de certa forma, anteciparam algumas das críticas posteriormente formuladas pela TMD ao pensamento dualista e ao suposto caráter democrático burguês da revolução brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


Periódicos

Centro de Documentação e Memória da UNESP (CEDEM/UNESP); Acervo Centro de Documentação do Movimento Operário Mario Pedrosa (CEMAP)

Orientação Socialista, São Paulo, 20/nov/1946, nº 3. Localização: Emb 097.

Orientação Socialista, São Paulo, 03/fev/1947, nº 6. Localização: Emb 097.

Orientação Socialista, São Paulo, 20/jul/1947, nº 15. Localização: Emb 097.

Referências bibliográficas

CAMBOA, M. [Mário Pedrosa]; LYON, L. [Lívio Xavier]. Esboço de uma análise da situação econômica e social no Brasil. In: KAREPOVS, Dainis; ABRAMO, Fúlvio. Na contracorrente da história: documentos da Liga Comunista Internacionalista, 1930-1933. São Paulo: Brasiliense, 1987. Disponível em: https://marxismo21.org/wp-content/uploads/2013/05/MP-LX-3.pdf

DEMIER, Felipe. Do movimento operário à universidade: Leon Trotsky e os estudos sobre o populismo brasileiro. 2008. 183 f. Dissertação (mestrado em História)-Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, 2008.

KAREPOVS, D.; LÖWY, M.; MARQUES NETO, J. C.; Trotsky e o Brasil. In MORAES, J. Q. de (Org.). História do marxismo no Brasil: os influxos teóricos. Campinas, Ed. da Unicamp, 1995. v. 2, p. 109-165.

LÖWY, Michael. A teoria do desenvolvimento desigual e combinado. Outubro, nº 1, 1998, p. 73-80.

LUCE, Mathias Seibel. Teoria Marxista da Dependência: problemas e categorias – uma visão histórica. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética do desenvolvimento capitalista no Brasil. In: _____; SADER, Emir (org.). Dialética da dependência. Uma antologia da obra de Ruy Mauro Marini. Petrópolis: Vozes; Buenos Aires: CLACSO, 2000.

MENDONÇA, Sonia Regina de. Estado e economia no Brasil: opções de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

OLIVEIRA, Francisco de. A economia brasileira: crítica à razão dualista. Seleções CEBRAP. São Paulo: Brasiliense, 1977, nº 1.

SEGATTO, José Antônio. Reforma e revolução: as vicissitudes políticas do PCB (1954-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

TROTSKY, Leon. Peculiaridades do desenvolvimento da Rússia. In: _____. A história da Revolução Russa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977, p. 23-33.

_____. A revolução permanente. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

_____. Balanço e perspectivas. In: _____. A teoria da revolução permanente. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2010, p. 37-130.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Escrita da História