As diferentes faces da violência na Rússia revolucionária de Isaac Bábel: uma leitura de O Exército de Cavalaria

Autores

Palavras-chave:

Isaac Bábel, O Exército de Cavalaria, Revoluções Russas, Violência

Resumo

Inicialmente, realizaremos a análise de três contos de O exército de cavalaria, coletânea publicada por Isaac Bábel em 1926, a fim de prospectar indícios literários a respeito da pluralidade da violência no “contexto cognitivo” das revoluções russas (1917-1921). Na sequência, empreenderemos a transfiguração desses rastros ficcionais com o propósito de problematizar aquele processo histórico. No desfecho, concluímos que com a edição de O exército de cavalaria Bábel abre um importante espaço de discussão acerca do enraizamento da violência no âmago da sociedade revolucionária russa.

Biografia do Autor

Glener Cruz Ochiussi, Doutorando em História Social, FFLCH - USP.

Glener Cruz Ochiussi: possui graduação em História, mestrado em Letras e é doutorando em História Social pela FFLCH-USP. É autor, entre outros artigos, de O aprendizado de Nando diante de duas situações extremas: o golpe civil-militar e a tortura. Pesquisa as aproximações entre História e Literatura.

Referências

BÁBEL, Isaac. Maria. Uma peça e cinco histórias. Tradução de Aurora Bernardini, Boris Schnaiderman, Homero Freitas de Andrade e Rubem Fonseca. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

______. O exército de cavalaria. [Livro eletrônico] Tradução Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2020.

CAMUS, Albert. O homem revoltado. Tradução Valerie Rumkanek. Rio de Janeiro: Record, 2010.

FIGUEIREDO, Rubens. Apresentação, p. 7-11. In: Bábel, Isaac. Contos de Odessa. Tradução e notas Rubens Figueiredo. São Paulo: Penguim Classics e Companhia das Letras, 2015.

FITZPATRICK, Sheila. A Revolução Russa. Tradução José Geraldo Couto. São Paulo: Todavia, 2017.

GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Editora Ática, 2004.

LÊNIN, Vladimir. Obras escolhidas em três tomos: tomo 2. Tradução equipe Avante. Lisboa, Avante, 1977a.

______. Obras escolhidas em três tomos: tomo 3. Tradução equipe Avante. Lisboa: Avante, 1977b.

MALARENKO, Henady. Isaak Bábel e o seu Diário de Guerra de 1920. 2011. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MUECKE, Douglas Colin. Ironia e o irônico. São Paulo: Editora Perspectiva, 2019.

PINTO, Júlio Pimentel. Do fingimento à imaginação moral: diálogos entre história e literatura. Revista Tempo, v. 26, n. 1, p. 25-42, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-042020000100025&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em 30 jan. 2021.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org.; Editora 34, 2009.

REIS, Daniel Aarão. A Revolução que mudou o mundo: Rússia, 2017. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis (orgs.). Intelectuais e modernidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e personagem. In: CANDIDO, Antonio (org.). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2014.

SEGRILLO, Ângelo. Historiografia da Revolução Russa: antigas e novas abordagens. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 41, 2010.

WERTH, Nicolas. Violências de baixo, violências de cima na revolução russa. Tradução Thierry Calasans. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 75, p. 11-40, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-64452008000300002&script=sci_arttext Acesso em 30 jan. 2021.

Downloads

Publicado

27.06.2022

Como Citar

Ochiussi, G. C. (2022). As diferentes faces da violência na Rússia revolucionária de Isaac Bábel: uma leitura de O Exército de Cavalaria. Escrita Da História, 2(16), 33–47. Recuperado de https://www.escritadahistoria.com/index.php/reh/article/view/260

Edição

Seção

A Literatura como campo e reflexão para a História