A representação das classes populares e os percalços causados pela modernização em Usina, de José Lins do Rego

Autores

Palavras-chave:

Usina, José Lins do Rego, Modernização, Classes Populares, Transformação, Perda

Resumo

O presente artigo tem por objetivo fazer uma análise do romance Usina (1936) – o último que constitui o chamado “ciclo da cana-de-açúcar” –, de José Lins do Rego, com base na relação entre ficção e história, manifestada em seu enredo principalmente a partir da representação da transição de um período tipicamente agrário para outro baseado no avanço tecnológico e na modernização da casa grande. A hipótese é que tal modernização, visando sempre ao lucro e à aquisição de um nível econômico superior, causa inúmeros percalços, sobretudo na vida dos menos favorecidos, pertencentes às classes populares. As condições precárias dos negros recém-libertos, dos trabalhadores da usina e das mulheres denunciam as consequências de um avanço industrial colocado em prática sem o devido planejamento. A problemática é apresentada a partir da perspectiva da crítica dialética de Antonio Candido, que defende a fusão entre texto e contexto, observando como este passa a constituir a estrutura interna da obra. Conclui-se que, por meio da implantação da usina Bom Jesus, a matéria principal do romance é a transformação do homem e das relações humanas, e que os desajustes causados por essa pseudomodernização, possibilitados pela ambição do personagem Dr. Juca, dialogam bastante com o contexto histórico vivenciado no Brasil das primeiras décadas do século XX, em especial com as transformações políticas, econômicas e sociais dos anos de 1930, ocorridas no governo do presidente Getúlio Vargas.

Biografia do Autor

Kedma Janaina Freitas Damasceno, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestra em Literatura Comparada pela mesma universidade, com a pesquisa A Vanguarda Concretista no Contexto da Literatura Cearense. Graduada em Letras Português/Literatura pela Universidade Federal do Ceará.  Integra o Grupo de Estudos de Literatura, Tradução e suas Teorias - GELTTE/UFC/CNPq e o Núcleo Antonio Candido de Estudos de Literatura e Sociedade.

Elayne Castro Correia, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestra em Letras pela Universidade Federal do Ceará (PPG Letras-UFC). Área de concentração: Literatura Comparada. Graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Sua pesquisa tem ênfase nas literaturas e críticas latino-americanas, em especial a literatura peruana. Integrante do GELTT - Grupo de Estudos de Literatura e Tradução e suas Teorias, coordenado pela professora Roseli Barros Cunha. Professora da rede de ensino básica. 

Gabriela Ramos Souza, Universidade Federal do Ceará..

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Literatura Comparada da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e bacharel em Comunicação Social - Jornalismo pela UFC.

Referências

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 52ª ed. São Paulo: Cultrix, 2017.

CANDIDO, Antonio. Crítica e sociologia. In: CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9ª ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

______. Literatura e subdesenvolvimento. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. 5ª ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

______. A revolução de 1930 e a cultura. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite. 5ª ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

DANTAS, Cauby. Gilberto Freyre e José Lins do Rego: diálogos do senhor da casa-grande com o menino de engenho. Campina Grande: EDUEPB, 2015.

FEITOSA, Nabupolasar Alves. Pé-de-fogo: o regionalismo entre a política e a estética. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2021.

FREYRE, Gilberto. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. 7ª ed. rev. São Paulo: Global, 2004.

______. Talvez Poesia. 2ª ed., ampl.- São Paulo: Global, 2012.

LIMA, Luís Costa. Regionalismo: José Lins do Rego. In: COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil: modernismo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editorial Sul Americana S. A., 1970.

PASSOS, José Luiz. O rito da modernização impossível. In: REGO, José Lins do. Usina. 20ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.

REGO, José Lins do. Usina. In: REGO, José Lins do. José Lins do Rego: Ficção Completa. V.1 Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar S.A., 1976.

REGO, José Lins do. Menino de Engenho. In: REGO, José Lins do. José Lins do Rego: Ficção Completa. V.1 Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar S.A., 1976.

Downloads

Publicado

27.06.2022

Como Citar

Damasceno, K. J. F., Correia, E. C., & Souza, G. R. (2022). A representação das classes populares e os percalços causados pela modernização em Usina, de José Lins do Rego. Escrita Da História, 2(16), 66–87. Recuperado de https://www.escritadahistoria.com/index.php/reh/article/view/270

Edição

Seção

A Literatura como campo e reflexão para a História