Representações de gênero na obra Diva de José de Alencar

Autores

  • Isadora de Mélo E. Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) https://orcid.org/0000-0002-8864-7807
  • Lívia Assumpção Vairo dos Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Palavras-chave:

Gênero, História, Literatura

Resumo

O romance Diva (1864), de José de Alencar, traz a história de Emília contada por seu pretendente, o narrador-personagem Dr. Augusto Amaral. Nessa obra, Alencar utiliza-se de adjetivações que nos levam a pensar a representação da mulher burguesa como uma flor animada, explicitando a ideia de beleza, delicadeza e elegância como uma idealização comum do “ser mulher”. José de Alencar também narra Dr. Amaral enquanto um homem racional, que observa e conquista o amor “domando” o comportamento de sua parceira. Dessa forma, a partir da História Política, História Cultural e a perspectiva dos Estudos de Gênero, este artigo busca compreender as representações do feminino e do masculino como construções que podem ser expressas e formuladas por meio da literatura. Pretende-se analisar o relato literário não de modo isolado, mas a partir de sua inserção nos debates existentes na segunda metade do século XIX no que diz respeito à redefinição do papel das mulheres letradas e de alta classe, levando em consideração os conflitos, tensões, interseções e o que seria o equilíbrio entre os gêneros.

Biografia do Autor

Isadora de Mélo E. Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Isadora de Mélo Escarrone Costa é doutoranda e mestre pelo Programa de Pós Graduação em História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGH- UERJ), atuando com Gênero e História das Mulheres. É pós-graduanda em Administração Escolar, Supervisão e Orientação (UNIASSELVI). Além disso, é Bacharel e Licenciada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Lattes: CV: http://lattes.cnpq.br/5432707987563367


Lívia Assumpção Vairo dos Santos é Graduada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Cursou o mestrado entre 2015 e 2017 pelo PPGH-UERJ, na área de História Política e Cultura. Em 2018 ingressou no Doutorado pelo PPGH-UERJ, na área de Política e Sociedade, com o projeto de tese Vozes para além da alcova: discurso feminista no jornal A Família. Lattes:  CV: http://lattes.cnpq.br/0924513205331073

Lívia Assumpção Vairo dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Lívia Assumpção Vairo dos Santos é Graduada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Cursou o mestrado entre 2015 e 2017 pelo PPGH-UERJ, na área de História Política e Cultura. Em 2018 ingressou no Doutorado pelo PPGH-UERJ, na área de Política e Sociedade, com o projeto de tese Vozes para além da alcova: discurso feminista no jornal A Família. Lattes:  CV: http://lattes.cnpq.br/0924513205331073

Referências

ALENCAR, José de. Diva. In: Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro. Rio de Janeiro, 1864. Disponível em: << http://www.dominiopublico.gov.br/>>. Acessado em: 10 de junho de 2021.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. “História Intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura”. Disponível em: << https://www.scielo.br/>>. Acessado em: 10 de junho de 2021.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

D’INCÃO, Maria Ângela. “Mulher e Família Burguesa”. In: PRIORE (org.) História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

FERREIRA, Antonio Celso. Literatura: A Fonte Fecunda. In: PINSKY, Carla Bassanezi. LUCA, Tania Regina. Fontes históricas. Rio de Janeiro: Editora Contexto, 2006.

MATOS, Maria Izilda Santos de. História das Mulheres e das Relações de Gênero: Campo historiográfico, trajetórias e perspectivas. Mandrágora. São Paulo, v.19. nº. 19, 2013.

MOREL, BARROS, Marcos, Mariana. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: DP & A., 2003.

PECHAMN. Robert, Moses. “Uma corte na mata tropical (1808-1830); Meter em polícia uma nação é o mesmo que civiliza-la e urbanizá-la”. In: Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

REGINA, Sonia. As feições de Diva. Pousio, 2009. Disponível em: <<http://pousio.blogspot.com >> Acessado em: 10 de junho de 2021.

SOARES, Ana Carolina Soares. “Entre Anjos e Demônios surgem as mulheres de Alencar”. In: Revista Mosaico, v.3, n.1, jan/jun. 2010. Disponível em: << http://seer.pucgoias.edu.br/>>. Acessado em: 10 de junho de 2021.

Downloads

Publicado

11.04.2022

Como Citar

Costa, I. de M. E., & Santos, L. A. V. dos. (2022). Representações de gênero na obra Diva de José de Alencar. Escrita Da História, 1(15), 263–284. Recuperado de https://www.escritadahistoria.com/index.php/reh/article/view/279